sexta-feira, 31 de julho de 2009

um sáfico

Este post é dedicado ao Cleber.

M: Olha, o último garfinho tá quebrado, e a outra opção é te dar o bolo com o meu. Tá usado. Você se importa?
B: Chupei tua buceta menstruada, vou me importar com garfinho?

M dá uns cinco minutos na mesa, depois vai sentar em outra.



B: Será que eu falei alguma coisa errada?


casa da maite


A Maite é uma ativista muito generosa da nossa liberdade sexual / de gênero. Pena que não uso internet em casa.

quarta-feira, 29 de julho de 2009

espíritos tolos x duras verdades

Sobre se apaixonar por estranhos.

Da última vez foi um ilusionista:

– Mas com você não. Com você não tenho nenhuma intuição ruim.
– Eu perguntei das tuas ex-namoradas mais porque não sabia se você é o tipo de pessoa que de repente muda de ideia.
– Você não tá entendendo, Sabrina. O que tá acontecendo aqui [gesto de “entre nós”] é muito sério.

Se o primeiro número parece exigir grande coragem, a dinâmica do espetáculo mostra que é uma estratégia narrativa para aumentar o impacto do segundo: o cara entra numa caixa, dá uma rodadinha, e quando você abre a porta? Um clássico.
A criançada aplaude.
Ordinariozinhos.

Saindo da matinê, encontro uma amiga que investiga esse tipo de fenômeno. Impassível, parece ter passado pro outro lado:
– Isso é assim.
– Senhor de todos os sortilégios!
– Trata-se, evidentemente, de um fundo falso.
– Santo Macunaíma!

A amiga pisa na fronteira entre ilusionista e bruxa:
– Qual dos truques te impressionou mais?
– Eu não acreditei no primeiro, mas queria que fosse verdade. E no segundo logo acreditei, mas queria estar enganada.

Ela levanta uma sobrancelha:
– Ah, não.
– ...
– Você pagou a entrada inteira, não foi?
– ...
– Quantas vezes vou ter que falar pra você falsificar uma carteirinha de estudante?
– Mas aí eu que vou estar sendo desonesta.
– A gente é melhor do que as outras pessoas, por isso temos que nos rebaixar às vezes.

É um raciocínio límpido. Sendo assim, resolvo me aconselhar imediatamente com um ex-namorado, outro canalhinha.
– Quantas vezes já te falei, querida, que o amor não existe, é só um construt...
– Você tá enrolando.
– Pra que saber a essa altura por que não me apaixonei por você? Você vai me achar mais cretino do que já acha.
– Non!
– Prometa que não vai ficar brava.

Num gesto de nobreza,
com sinceridade,
generosamente,
ele tem a empáfia de desfiar uma lista de IMPLICÂNCIAS RIDÍCULAS contra a minha pessoa.

Uma coisa me chama a atenção:

– As pessoas gostam de ser amadas, mas elas gostam, sobretudo, de amar. Se a gente vai ali no balcão pedir alguma coisa, eu também gosto de te abraçar por trás. Como você sempre faz isso, não existe a expectativa e eu acabo não fazendo. O nome do jogo é fort-da.
– Ou síndrome de Estocolmo.
– Olha...
– Se for, queria alguém pra jogar fort OU da.
– Mas é inacreditável! As pessoas, querida, sofrem de amor uma, no máximo, os desavisados, duas vezes.

Finalmente, se eu forçar a barra, ganhei um elogio:

Se variam na casca, idêntico é o miolo,
Julguem-se embora de diversa trama:
Ninguém mais se parece a um verdadeiro tolo
Que o mais sutil dos sábios quando ama.

Cerveja terminada, resolvo ligar para um amigo otimista, que acredita mais em mazia que em ilusionismo. Mas ele também é da opinião de que eu estou errada:

– Como vou me contentar com o truque do caixão se, pelo preço do ingresso, esperava um coelho saindo da cartola?
– Vai que ele está com alguém, que é uma menina ciumenta, mas quando ele voltar pra Curitiba vai poder falar livremente? Por que você não espera ele voltar pra você?

Othello: I have a pain upon my forehead here.

É mesmo, existe o teatro inglês. São oito da noite, hora de parar de perder tempo e voltar pra Sarah Kane. Continuamos a elaborar uma noção de amor incondicional.

Vês! Ninguém assistiu ao formidável
Enterro de tua última quimera.
Somente a Ingratidão - esta pantera -
Foi tua companheira inseparável!

Isso, amigão, é coisa de que não posso reclamar. O funeral tava lotado. Todo mundo com cara de “eu avisei”.

PS: Os diálogos acima são todos de mentirinha, menos o primeiro (hã?).


terça-feira, 28 de julho de 2009

http://www.ccr.org.br

segunda-feira, 27 de julho de 2009

no diamonds

H: Mas é isso aí, só tem gente louca.
M: Eu não.
H: Eu sofri tanto no último semestre...
M: Sofreu por amor? Pois fico muito satisfeita!
H: Não foi por amor. Foi por não encontrar ninguém com quem dê pra manter uma relação.
M: Psicopata.
H: Mas eu não peço demais.
M: A verdade é que você não encontra ninguém porque estabeleceu um parâmetro alto demasiado quando namorou comigo.
H: É verdade. Eu sempre penso nisso.

M faz cara de “não vai me comer”. H faz cara de “não entendi sua cara” mas não sustenta, meio segundo depois disfarça observando o pôster da Marilyn Monroe.

M: Comeria frouxo.
H: Eu também.
M: Coitadinha.

sexta-feira, 24 de julho de 2009


Sem mão
não acorda
a pedra

sem língua
não ascende
o canto

sem olho
não existe
o sol.

Orides Fontela, meu maior medo.


quarta-feira, 22 de julho de 2009

meu produto diário

Mando para a Fabíola um trecho do livro que estou revisando:
They do not have to ‘work’, though, of course, they may choose to for a variety of reasons. They enjoy a passive income – money earned while they sleep or have lunch.

Não era bem esse, mas como vocês não trabalham na editora, vão ter que, ansiosos, esperar o lançamento. Para constar, ao lado de dormir e almoçar, vai uma série de atividades na linha caça submarina.

Espera-se que, como uma boa amiga, ela pense e diga:
Coitada da Sabrina. Não escapa do tripalium*. Coitada. E é uma escritora tão séria.

Mas ela responde:
se vc tivesse escrito esse livro, certamente "faz cocô" estaria nessa lista.

Leio autoajuda porque meu retorno em dinheiro é garantido no final do mês. Mas até que esse papinho de rendimento passivo começa a me convencer.

* 'work'


CONVITE

25 de julho: Dia da Mulher Negra

da América Latina e do Caribe

As mulheres negras latino-americanas e caribenhas elegeram o dia 25 de julho como seu dia de luta.

A Rede Mulheres Negras – PR convida para a Comemoração do Dia da Mulher Negra que será na Associação Nossa Senhora da Luta – Sítio Cercado.

HORÁRIO: 15 horas

LOCAL: Rua. Francisco José Lobo, 214 – Sitio Cercado – Xapinhal.


PROGRAMAÇÃO

15h: Mesa: Mulher Negra: avanços e desafios: Cleonice Pinheiro Rosa e Márcia Regina Santos.

15h30: Apresentação da Banda Setembrina

16h00: Coquetel de encerramento

segunda-feira, 20 de julho de 2009


Lembram da menina que foi assassinada, que "jogava RPG", em Ouro Preto?
Acabei de ver o que aconteceu com os acusados.



B: Pense bem. Ninguém fica com febre por causa de uma aula de musculação.
A: E não é você somatizando a existência da ex-namorada.
B: Ele nem tinha me dispensado nem eu sabia que ela existia. Mas do mesmo jeito que ele contou pra mim, contou pra ela.
A: Por que contaria?
B: Ele é do tipo que conta.
A: Coisa linda. Daí ela furou uma bonequinha e você ficou com os órgãos internos tudo estourado.
B: Ela fez macumba pra que eu morresse. Como eu não acredito em macumba, fiquei só com a energia emocional da raiva dela. Por isso essas dores e pontadas estranhas.
A: Ah, tá.
B: Musculação não dá febre. Macumba é a única explicação RACIONAL para isso.
Silêncio.
A faz um ar meditativo: Realmente... Eu sempre penso que o mundo tem muito o que aprender comigo.


sexta-feira, 17 de julho de 2009

nel mezzo del cammin di nostra vita?

Essa galera não usava antirrugas.

ou ainda

Cânone literário: mais eficiente que botox.

ou ainda

Eu queria só uma vez poder imaginar o cara com 35 anos.


segunda-feira, 13 de julho de 2009

emma bovary

– O carinha deu sinais de que queria mesmo namorar, e eu pensei: bem que esse ano eu tô com outros planos, mas não posso dispensar um cara desses [acena] "até ano que vem!".
– Que sinais?
– O cara é um ner...
– Que amor!
– O cara é um nerd e tem uns programas engr...
– Um geek, e ativista do software livre.
– O cara é um geek e tem uma Wanda.
– Não sei.
Silêncio.
– Um peixe na área de trabalho que lê a sorte de hoje. Essa coisa randômica, ele falou. E a Wanda disse logo antes dele sair pro nosso encontro: "Hoje você vai conhecer uma pessoa muito especial". E ele falou: "Calma, Wanda. Não se precipite". Depois fez uma cara de: "Por que é que eu fui contar isso para a E.B.?"
– E quando você desdecidiu sobre este ser um [canta em melodia vernácula, como o padre na missa faz "Palavra da salvação"] ano monotemático dedicado aos estudos?
– Depois que a gente foi pra cama.
– Quando foi isso?
– Umas duas horas depois da Wanda.


terça-feira, 7 de julho de 2009

na tentativa, quebraram-se três dedos

Não podia enxergar o sangue. Fraco demais para se contorcer em dor. Sentia escoar era a força. Uma lembrança incerta do que ouviu ou leu por aí: os bebês ao nascer apertam as mãos como se agarrassem a vida, enquanto os velhos afrouxam. Foi no que se concentrou, abrindo olhos. Mal podendo respirar, fechou a mão direita. Conferiu para ter certeza: teve que mandar a ordem três vezes até sentir os dedos enrolados. Nisso empregou toda a sua fraqueza.

Quando encontraram o corpo, sua mão era um gesto tão firme que não foi possível abri-la, apesar dos esforços tremendos, para cruzar no seu peito.


segunda-feira, 6 de julho de 2009

quarta-feira, 1 de julho de 2009