terça-feira, 30 de setembro de 2008

dentes tão grandes

Sou eu? Quando um homem diz que tem um presente para mim na sua casa, sou a única que o imagino com a mão encostada na parede, vestido com um modelo caro de lingerie?


segunda-feira, 29 de setembro de 2008

sobre a + licença-maternidade

(...) De todos os lados, a imposição da maternidade como um destino e como uma responsabilidade exclusiva das mulheres. Assim, ao invés de serem discutidas medidas no sentido de garantir a responsabilidade do Estado com a reprodução social e com a infância - com políticas universais como creches, pré-escolas, escolas em tempo integral mais uma vez é sobre as mulheres que pesa a responsabilidade com o desenvolvimento das crianças. (...)
A ampliação do período da licença maternidade mascara – e nós devemos revelar - a situação de desproteção a que está submetida a grande maioria das mulheres trabalhadoras. Reforça, para nós, a premência da luta por um sistema de proteção social que garanta os direitos previdenciários, como a licença maternidade, a quem não pode contribuir. Isto, sim, faria uma grande diferença e seria uma medida justa, porque para todas as trabalhadoras, sobretudo aquelas que vivem em situação de maior precariedade. Reforça, portanto, a necessidade de defendermos o direito universal à Seguridade Social no Brasil. (...)
A expansão da licença maternidade reproduz a divisão sexual do trabalho e não ajuda a solucionar totalmente os arranjos que a maternidade colocam na vida de todas as trabalhadoras. A política de creches é avaliada por essas estudiosas como o mecanismo mais eficaz para garantir condições de inserção no mercado de trabalho às mulheres e assegurar a responsabilidade do Estado no cuidado com as crianças.

sábado, 27 de setembro de 2008

Olhamos as pessoas que dançam salsa com passos de forró. É um tipo de niilismo; esses são os que verdadeiramente não se importam, enquanto encostamos no balcão fazendo um tipo blasé.



– Então é por isso que ele quer cuidar dos bairros. Porque tem um Café Paris no centro.


domingo, 21 de setembro de 2008

ATO NACIONAL EM SOLIDARIEDADE ÀS MULHERES CONDENADAS POR FAZER ABORTO


DATA: 26 setembro de 2008
LOCAL DA CONCENTRAÇÃO: Praça Ramos - São Paulo - SP
HORÁRIO: a partir das 13h30min
Em seguida: Caminhada até o Tribunal de Justiça
Mais de duas mil mulheres estão sob ameaça de prisão. Algumas já foram indiciadas e outras estão cumprindo pena em Mato Grosso do Sul.

Elas tiveram sua privacidade invadida e suas vidas expostas à execração pública. Outras centenas correm os mesmos riscos em Estados como São Paulo e Rio Grande do Sul..

Trata-se de um atentado à autonomia e à dignidade das mulheres, em sua maioria pobre, sem acesso a assistência jurídica e psicológica.


Para evitar que esta e outras violações dos direitos humanos ocorram, proteste, participe do ato pelo fim da criminalização das mulheres e pela legalização do aborto no Brasil. Isso permitirá um tratamento digno às mulheres e a redução das mortes maternas.

Nesse mesmo dia, 26 de setembro, lançaremos uma Frente Nacional pela legalização do aborto com a participação de entidades e movimentos democráticos e populares. Este ato é parte das ações do Dia Latino Americano e Caribenho pela Legalização do Aborto.


Nenhuma mulher deve ser perseguida, humilhada, condenada ou presa pela prática do aborto.
Junte-se a nós! Vamos dar um basta à criminalização das mulheres e defender a legalização do aborto

FRENTE NACIONAL PELA NÃO CRIMINALIZAÇÃO DE MULHERES E PELA LEGALIZAÇÃO DO ABORTO

deprê

– Vi na janela o namorado da vizinha estendendo roupa. Achei isso tão fofo que fui para o meu quarto chorar.

sexta-feira, 12 de setembro de 2008


O governo Lula é a esquerda brasileira se olhando no espelho: "Eu não tinha esse rosto de hoje...".

quarta-feira, 10 de setembro de 2008

escreva sobre isso!

é um expediente simples pra cortar conversa de escritor.

sábado, 6 de setembro de 2008

servimos bem para servir sempre
ou
servimos mal para virar chefes?

sexta-feira, 5 de setembro de 2008

nelsinha

Na escola derde em que Nelsinha estuda, ela é obrigada a responder perguntas como: o que é maior, 71 ou 17? Em seguida:
P: Você conhece alguém de 71 anos?
R: Meu avô Narbal já teve essa idade.


Nelsinha proibiu qualquer pessoa da família de comentar esta história quando tinha cinco anos. Ela está num aviário com a mãe, e vê uma vendedora levantar um cãozinho. A mãe comenta:
"Olha só, ela tá vendo se o cachorro não tem nenhum machucado na barriga". Nelsinha: "Claro que não, mãe. Ela tá procurando o preço".


Nota: Gabizinha agora censura meu blog e não posso mais dar uma enxugada nas histórias dela pra melhorar o timing. Por isso alternarei as histórias fiéis com estas da que por ora chamo de Nelsinha.

quarta-feira, 3 de setembro de 2008

F7

esse word ainda vai tirar nossos empregos.

Lanchinhos – lanche-nos

Feridinha – feridenta

Sabrina – sobrinha

... – sugeriu ela ... – a sugeriu

Por volta das setepor volta das setes

Alguns de nós precisam dormir... – Algum de nós preciso dormir

É feito com carne de porco, cebola e temperos, eu juroSou feito com carne de porco, cebola e temperos, eu juro

os caras – as caras, os caros

Nós, e isso inclui vocêNós, e isso incluímos você

Um tapinha – Uma tapinha

Ela respirou fundoEle respirou fundo, Eles respiraram fundos

um dos infantis mais legais que revisei na fundamentoum dos infantis mais legais que revisei na fundamenta, um dos infantis mais legais que revisei na fundamentam

um tanto toscaum tanto tosco, uma tanto tosca

tinha estado prestestinha estado preste [algo comotinha estado padre”].

continuou a seguir as pegadas – continuou a seguir a pegada

uns doze – um doze

Ele deixou que a pergunta pairasse – Ele deixou que a perguntasse pairasse

O sarcástico pequeno sabe-tudo precisa de ajuda – O sarcástico pequeno sabe-tudo preciso de ajuda, A sarcástica pequena sabe-tudo precisa de ajuda